sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Poesia...


Quando a inteligência fugiu

Passaram horas dias, dias,                            Eram problemas aqui,
Meses e até anos                                           Discussões acolá
As pessoas ainda estudavam                        O amor, a amizade
O porquê de tantos danos.                             Ninguém sabe onde está.               

O que tudo conheciam                                   Agora as pessoas
Agora desapareceu                                       Já não estão preocupadas
Ninguém sabe onde está                               Com tudo o que se passa
Porque já tudo morreu.                                  Com as coisas passadas.

Já se foram os idosos                                    Os sábios do passado
O cérebro deste mundo                                 As pessoas do futuro
Já não resta nada                                          Já ninguém comanda nada
Já foi tudo, tudo.                                            Já ninguém comanda o mundo.



Do presente, ao futuro


No presente era tudo assim                             Era tudo muito lindo,                        
Ás cores sem cinzento.                                    Um mundo sem igual.
Havia casa para todos                                     Agora somos assim
Ninguém ficava ao relento.                              Em nós existe mal.

Do presente, ao futuro …                               Do presente, ao futuro …

As árvores verdes, enormes                          Os sem abrigo de hoje
Com o seu tronco comprido,                          Em tempos foram felizes
Enchiam a primavera.                                    Agora são assim,
Agora tudo estava arrependido!                    Todos tristes, infelizes.

Do presente, ao futuro...                                 Do presente, ao futuro …
                                                
                                                A vida é assim
                                                Muitos gostam de dar voltas
                                                Mas nós crianças de hoje
                                                Faremos com que dê poucas.

                                               Do presente, ao futuro …




                     Bruna, 5.º B

Nenhum comentário:

Postar um comentário