segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Escrita criativa: Ler dá saúde (inspirados em Valter Hugo Mãe)



"O velho Alfredo riu-se muito e respondeu: um bom livro, tem de ser um bom livro. Um bom livro em favor de um corpo sem problemas de colesterol e de uma casa com o teto seguro. Parecia uma ideia com muita justiça."

Excerto retirado da obra  O filho de mil homens de Valter Hugo Mãe, Porto Ed. 


O Rui, com livros?
   Num verão distante, fui à casa de um amigo chamado Rui. A casa dele estava em ruínas e acho que ele nunca leu na vida. Estou tão triste porque tento que ele leia mas ele não o quer fazer.
   Quando entrei, fui ter com ele e expliquei-lhe que a leitura era muito importante para a sua casa e para a sua saúde. Contei-lhe que ler serve para expandir a imaginação, esclarecer dúvidas e ocupar o nosso tempo livre. Disse-lhe:
   -Olha, tu tens de ler "O rapaz de bronze" de Sophia de Mello Breyner Andresen. Trata-se de um gladíolo que gosta de festas e organiza uma especial. Mas vais gostar porque compara seres humanos a flores.
   -Está bem! Também já estou farto de me estarem sempre a pedir para ler e estou sempre a dizer que não. Por isso, vou começar a ler.
   No final, ele acabou por ler o livro que eu aconselhei e ele gostou muito porque as flores, as estátuas e as árvores falam. A partir desse dia, ele nunca mais parou de ler e tornou-se o melhor aluno da turma a Português.
                                                                                                                          Rodrigo J. (5.º A)


Um livro sagrado

   Num dia ameno de Primavera, eu, o Cláudio, fui visitar um amigo meu chamado Joaquim.
   Ao chegar vi uma casa em ruínas. Fui bater à porta e não é que era o meu amigo Joaquim a abrir a porta. Perguntei-lhe:
   -Ó Joaquim, parece-me que não andas a ler muito!
   Então, o meu amigo respondeu:
   -Sabes, Cláudio, é que não gosto de ler! É aborrecido e cansa-me.
   Passado algum tempo, fomos brincar para o parque e eu aconselhei-o:
   -Joaquim, vais ter de ler! Ler faz bem à saúde e evita as casas a caírem de podre!
   Passado mais algum bocado, o Joaquim perguntou-me como me sentia quando lia um livro.
   Respondi-lhe:
   -Ler é uma coisa maravilhosa! Em casa, tenho um livro bom para ti. Chama-se "Poemas da bicharada" e o autor é João Manuel Ribeiro.  
   Uma semana depois, passei pela casa do Joaquim e estava nova! Tinha gostado tanto que começou a ler livros.  
                                                                                                                                                                                                   Cláudio R. (5.º A)



                                                                       

Nenhum comentário:

Postar um comentário